Cultura Destaque 4 Volta Redonda

Os dez shows nacionais mais épicos da história de Volta Redonda


Por Tribuna 

O circuito nacional de shows de grande porte por muito tempo renderam (e ainda rendem) histórias em Volta Redonda. A cidade sempre foi roteiro obrigatório das bandas nacionais. A equipe de reportagem do jornal TRIBUNA fez a lista dos dez shows épicos que aconteceram no município. Para isso, foram ouvidos profissionais da área cultural e também pessoas que, simplesmente, curtem um bom som.

Entre outros colaboradores, estão: Cláudio Alcântara (jornalista e crítico há mais de 30 anos); Alexandre Xan (produtor e empresário); Francisco Edson Alves (jornalista); Claudinho Chiesse (radialista), Jussara Soares (O Globo) e Celso Carvalho (empresário cultural).

1º – Legião Urbana (1990) – Estádio Raulino de Oliveira

Considerada a maior banda de rock do Brasil de todos os tempos, o primeiro da lista foi o show de Legião Urbana em 24 de novembro de 1990, no inesquecível festival “Festival Estação Volta Redonda”. Foi quase uma unanimidade entre os entrevistados. A banda de Renato Russo estava no auge do sucesso. E o jornalista Francisco Edson Alves foi escalado para cobrir o show, com Luciano Pançardes.

“Pouco antes do show, me lembro de um dos assessores dizendo: ‘Ele não vai receber ninguém no camarim. Vocês têm que tentar abordar o pessoal da banda na passagem para o palco. Mas vou logo avisando: o Renato tá doidaço de uísque. Postado à frente da porta do camarim, meu coração disparou quando a porta se abriu e eu, instintivamente fui na direção de Renato. ‘Renato, Renato, você pode falar com a gente?’. Ele olhou e foi passando sem falar nada. Aí, meu lado de fã e repórter iniciante ao mesmo tempo falou mais alto. Pulei na frente dele e mandei: ‘Então me dá um autógrafo?’. Mas ele ignorou meu apelo e subiu ao palco”, relatou Alves.

Ele continuou: “Depois de cumprimentar o público, que lotava o gramado, Renato, rindo muito, emendou: “Vocês são engraçados, sabia? Até repórter daqui pede: `Moço, me dá um autógrafooooo´?”. O público foi à loucura. E eu, feliz da vida, mesmo tendo pagado aquele mico, falei com Luciano: “Caramba!!! Ele tá falando de mim. Uhuuuu!”.

No meio do show, Renato atirou a rosa (a foto acima) que ele segurava para o público, mas ela caiu nas minhas mãos. Eu estava na frente do palco, no lugar reservado à imprensa. Fiquei extasiado. De repente, Luciano gritou no meu ouvido. ‘Cara, olha para trás. O público quer a rosa’. Os seguranças estavam tendo dificuldades para conter a multidão, que alegava que a rosa era para os fãs. Mas, poxa, pensei, “também sou fá e isso é histórico!””

Até hoje há um cartaz do festival nos arquivos da secretaria de Cultura de Volta Redonda. Quem guarda o cartaz é o produtor cultural e empresário, Alexandre Braz, o Xan, que também é assessor especial da secretaria de Cultura de Volta Redonda.

2º Sepultura (2003) – Ilha São João

O segundo foi o show do Sepultura, banda brasileira de projeção internacional. Eles foram a principal atração do primeira edição do “Volta Redonda do Rock”, em agosto de 2003.

“Nesse evento trabalhei na produção e o Sepultura foi o primeiro nome que pensei para dar uma visibilidade ao evento. A banda ficava mais fora do país do que no Brasil e, nesse ano, eles fizeram apenas três ou quatro shows no país, sendo que só Volta Redonda não era capital. A força da banda é tão grande, que notamos dois ônibus da Argentina no dia”, disse Xan, também é idealizador do projeto.

“Lembro que os integrantes trataram muito bem os repórteres. Porém, era um cheiro insuportável de maconha no camarim e, após o show, eles pediram pelo menos dez pizzas, distribuindo para todos. Eles foram muito simpáticos”, contou o jornalista André Aquino.

3º Milton Nascimento & Gilberto Gil (2001) – Ginásio do Recreio dos Trabalhadores.

Para surpresa dos fãs da MPB, a turnê Milton & Gil passou por Volta Redonda. Era abril de 2001, no ginásio do Recreio dos Trabalhadores. Lotou, claro. Foram quase duas horas de som, com o impecável desempenho da dupla, conforme relatou o publicitário Hugo Telles, que contou uma curiosidade:

“Antes do show, tentamos falar com eles. Meu amigo fingiu que era repórter, mas os seguranças não acreditaram e nos expulsaram aos tapas. No final do show, porém, ficamos esperando atrás do ginásio e, quando o carro saiu, pulamos no capô. Milton abriu a janela e nos cumprimentou. Ganhamos a noite ali”.

4º Rita Lee (2008) – Ginásio do Clube dos Funcionários.

Apesar do ginásio do Clube dos Funcionários não ser o ideal para a realização de um show por conta da acústica, Rita Lee brilhou numa noite de julho de 2008 em Volta Redonda. Show simples, direto e encantou o público com os sucessos das décadas de 70, 80, 90 e 2000. Durante o show, ela provocou a plateia, no tom de brincadeira: “Vocês saem de casa e pagam para me ver. E eu pago para não sair de casa”, brincou a roqueira, levando ao delírio o público, um ensaio do anúncio de sua aposentadoria – que ocorreu anos depois.

5º Los Hermanos (2002) — Memorial Getúlio Vargas

No ano de 2002, o Freakshow — um evento de rock alternativo criado por Xan em 2000 — era um sucesso nacional e, com isso, foi possível fazer um evento semanal e que conseguiu visibilidade em todo país, trazendo bandas independentes de diversos lugares do Brasil e de fora

Xan relembra: “Após o sucesso do evento, conseguimos fazer uma edição especial com Los Hermanos (banda que eu já havia trazido duas vezes antes deles terem lançado disco e serem conhecidos). O interessante deste show foi que, coincidentemente, caiu no dia da final da Copa do Mundo, e a prefeitura nada programou para a comemoração do Pentacampeonato. E, então, o Freakshow ganhou um reforço de segurança e estrutura para receber não só o público do evento, mas também o povo em geral que queria ir pra rua comemorar”, contou.

6º Lobão (2014) – Praça Brasil

“As pessoas escutam muito funk e sertanejo. Então, estão acostumado a ter ejaculação (musical) precoce. Calma! Aqui é um show de rock, aqui é arte. Tem que ser apreciada”, discursou Lobão no momento em que o público pedia os clássicos dos anos 80. O show aconteceu na Praça Brasil, em 11 de novembro de 2014.

Como é hábito de Lobão misturar palanque com o palco, nem todos presentes se agradaram com o discurso do roqueiro Vida Louca. Num determinado momento do espetáculo, uma meia dúzia de pessoas gritou “Fascista”. Lobão respondeu com a sua sagacidade: “Pátria fascista está fadada ao fracasso”, alfinetou Lobão.

7º Cazuza (1988) – Clube Náutico

A voz não estava boa. Saúde fragilizada, ambulância no clube para emergência e pouco público. Porém, o show de Cazuza no Clube Náutico foi épico. Quem explica o porquê é a médica Fernanda Galvão, que na época tinha 19 anos.

“Foi um custo conseguir convencer meus pais deixarem eu ir ao show. Lembro que a doença estava deixando ele bem debilitado. Mas Cazuza se esforçava para agradar o público”, contou Fernanda, lembrando de um dos momentos mais marcantes do do show: “Me lembro que Cazuza queria pular em cima do público. Mas, como a população tinha pouca informação sobre a Aids, a plateia ficou com medo de encostar nele por causa da contaminação. Foi triste esse momento (hoje se sabe que a doença não é transmitida apenas com o toque)”.

8º Banda Eva com Ivete Sangalo. (1996) – Clube Comercial

Ivete ainda não era uma popstar. Cantava numa banda da Bahia e estava deixando o grupo. A apresentação foi considerada como incrível porque surgia ali, pela primeira vez, atual rainha da música brasileira.

“Que energia foi aquele show. Sai cansado de tanto cantar e dança. Ali, revelava uma estrela. Sou fã há mais de 20 anos”, contou a professora Cláudia Vaz de Oliveira, que na época tinha 18 anos

9ª Plant Hemp com Marcelo D2 (1998) – Aterrado

Show entra na lista não pela qualidade musical, mas pela circunstância da vinda da banda de Marcelo D2. Durante uma semana, o show ainda não estava confirmado porque a justiça estava questionando sobre o crime de apologia ao uso da maconha. Um dia antes, porém, eles conseguiram a autorização. Porém, quem foi não lembra bem quais as músicas que foram tocadas (será por que?).

Após o show integrantes da banda (com exceção de Marcelo D2) foram para o baile do Mares do Sul, no Clube dos Funcionários – surpreendendo a todos pela simplicidade.

10ª RPM (1987) – Ginásio da Ilha São João

Não tem como deixar de citar o RPM, no auge da carreira, no ginásio da Ilha São João, um show de tecnologia e visual para época. “Além, é claro, a forma como os rapazes mandavam muito bem no som”, relatou o jornalista Cláudio Alcântara, editor do site Olho Vivo

Matéria originalmente publicada em junho 2018 e produzida por André Aquino

11 Comentários

    • Marcus Vinicius Gimenez 09:51

      Eu acrescentaria qualquer um dos shows que Os Paralamas fizeram no Clube Comercial (1988 / 1989). Sempre foram shows de alta performance e de alta qualidade.

      Lembro de um que eles tocaram Rock’n’Roll do Led. Foi muito legal.

    • Wilrasec 12:45

      Desculpe , as poderia ter almentado a lista
      Faltou na lista o show do negritude Jr e Sandy e Junior na ilha são João que também foi show q lotou

    • Luiz 00:58

      Me lembro da dupla de sertanejo.bruno.marrone q lotou a ilha são João banda o rapa q sempre lotou a primeira vez de lua Santana pipo locomotiva.no aeroentre outros

    • Glauber 22:32

      Faltou vários shows Barão vermelho em 94 na ilha são João lotodo e tbm o show do Milton Nascimento dentro da CSN

    • titãs 14:06

      não esqueço do Titãs na sede nova do aero clube.

    • VR CITY 23:16

      Faltou muia gente bacana.. mas acrescentaria, XUXA ! A eterna rainha dos baixinhos ! como sugestão façam outra lista

    • Fã da boa música brasileira 23:55

      Djavan no show comemorativo dos 25 anos de carreira no Recreio e também ele anos depois no ginásio do Funcionários (2002, acho). Skank na Ilha São João, muita chuva e o povo dançando, muito lindo.

      • dani 09:36

        Cadê o show da XUXA?

    • Ritton 15:55

      Sei que faz muito tempo… mas o mais épico que Volta Redonda já teve foi um show dos Novos Baianos em 1974 ou 75, em plena ditadura militar com VR sendo área de segurança nacional.
      Noite chuvosa no campo de Volta Redonda, um lamaçal.
      A polícia não queria deixar o show acontecer e com um atraso de + ou – duas horas o show começou.
      Foram uns 30 a 40 minutos de muita música e a energia elétrica foi cortada.
      Os percussionistas mantiveram o ritmo. A essa altura já era um Woodstock tupiniquim, com todos enlameados e curtindo muito, cantando, dançando…
      Nova negociação e a energia voltou.
      Foi uma loucura! Toda a gente se olhava, pleno gozo, uma euforia total.
      Mais alguns minutos delirantes e o show acabou.
      Eu morava em BM e tive de voltar à pé porque os motoristas dos ônibus não deixavam a gente embarcar.
      Sei que cada um tem uma vivência e com razão acham que foi o melhor. É natural.
      Mas épico envolvendo não somente boa música, mas sentimento de liberdade em um tempo difícil, repressão, com notícias de prisões, torturas, sumiços… bom, aí é fora da curva!

      • Cleia Fraga 16:31

        Fora O Rappa, Jota Questão, Zé Ramalho, Carlinhos Brown entre outros na Ilha São Paulo. Elba Ramalho no Cine 9 de Abril

    • Cleia Fraga 16:28

      Fora O Rappa, Jota Questão, Zé Ramalho, Carlinhos Brown entre outros na Ilha São Paulo. Elba Ramalho no Cine 9 de Abril

Deixe seu comentário

error: Content is protected !!