Volta Redonda

Marcha da Maconha de Volta Redonda emite carta aberta à população




Os organizadores da Marcha da Maconha de Volta Redonda emitiram neste final de semana um manifesto explicado a ideia do evento, que está previsto para ocorreu no próximo dia 29, num domingo.

No documento, eles explicam o objetivo da manifestação (veja na íntegra do documento). Os organizadores vêm recebendo críticas de políticos e de organizações religiosas.

Carta Aberta da Marcha da Maconha

Povo da cidade de Volta Redonda, a primeira edição da Marcha da Maconha realizada no Brasil ocorreu na cidade do Rio de Janeiro, no ano de 2002 (há 20 anos atrás) e em 15 de junho de 2011, por decisão unânime (ADPF 187 DF), o Supremo Tribunal Federal reconheceu a manifestação (Marcha da Maconha) como legítima, estando garantida em duas liberdades individuais revestidas de caráter fundamental: o direito à reunião e o direito à livre expressão.

Nos últimos dias, algumas figuras políticas de nossa cidade, através das redes sociais e jornais impressos regionais, manifestaram-se contrários ao acontecimento da Marcha da Maconha VR e disseram que vão “fazer de tudo” para que a Marcha não ocorra, além de terem aproveitado a oportunidade para estarem disseminando desinformação e inverdades.

Ao contrário do que foi dito por essas pessoas, a Marcha da Maconha não se trata de apologia ao uso de drogas, tampouco se trata de uma convenção para a realização do uso das mesmas. A Marcha da Maconha se trata de uma manifestação pacífica que busca por uma política de drogas mais democrática e pelo fim da chamada “guerra às drogas”, que na verdade é uma “guerra aos pobres”.

A Marcha da Maconha luta contra o racismo estrutural, contra as chacinas que acontecem constantemente nas favelas, contra o encarceramento em massa, contra a homofobia, contra o obscurantismo, contra o fascismo, contra o negacionismo e contra toda forma de preconceito.

Não é só para fumar que nós marchamos! Lutar pela legalização da Cannabis sativa L., ou Maconha, ou Cânhamo, ou Diamba, ou Liamba, ou Pito do Pango, ou qualquer nome que queira usar, é lutar pelo respeito, é lutar a favor da vida, a favor da ciência, da liberdade, da igualdade e da saúde e dignidade humana de muitas famílias que necessitam da Maconha como ferramenta terapêutica para o tratamento das mais diversas patologias e transtornos, dentre elas Alzheimer, Parkinson, Diabetes, Dor Crônica, Câncer, Transtorno do Espectro Autista, Epilepsia, Endometriose, Esclerose Múltipla, Depressão, Ansiedade, Transtorno do Uso de Álcool e muitas outras.

Dito isso, gostaríamos de convidar toda a população de Volta Redonda para estar comparecendo a Marcha da Maconha VR, que acontecerá no dia 29 de maio de 2022, a partir das 14:20h, na Praça Juarez Antunes (ao lado do Escritório Central) e seguirá pela rua 33 até o destino final, na Praça Pandiá Calógeras (ETPC).


1 Comentários

    • Cidadão BR 07:51

      Tudo explicado pelos organizadores desta marcha vergonhosa.
      No final das contas, é na realidade uma apologia às drogas e a desgraça das famílias.
      Só doidão que frequenta um troço desse.

Deixe seu comentário

error: Content is protected !!
close