Barra Mansa Sociedade - Especial

Música em Barra Mansa: Arte que tem o poder de transformar vidas



“Toda criança gosta de brincar na rua”. Quem nunca ouviu essa frase? Aliás, o que há de errado nisso? Nada – tudo? Depende de um ponto de vista, ou do que a rua pode oferecer as crianças e aos jovens. É fato que existe a violência e também a criminalidade, mas também tem diversão, brincadeiras e a socialização com os amigos.

Às vezes com as funções e atribuições do dia a dia, muitos pais não tem tempo para cuidar, educar e auxiliar essas vidas do jeito que gostariam ou deveriam. Uma opção é inserir essa criança e jovem em um dos diversos programas que a rede pública de ensino oferece a eles em período fora do horário de aula.

Barra Mansa é um município que investe em atividades como complemento das atividades que muitas vezes são iniciadas em sala de aula. Uma delas é o Projeto Música nas Escolas, que desde 2003 vêm formando grandes nomes na música e proporcionando a esses artistas a possibilidade de uma carreira nacional, internacional e até mesmo a inserção em grandes orquestras mundialmente conhecidas.

A reportagem especial dessa semana do TribunaSF, produzido pelo repórter Felipe Rodrigues, vai apresentar um pouco mais desse projeto e também sobre a Orquestra Sinfônica Juvenil de Barra Mansa, que proporciona aos jovens uma melhor opção para ocupar suas horas vagas, além de inseri-los na arte da música.

20 mil alunos

Projeto Música nas Escolas

Com sede no Parque da Cidade, o Projeto Música nas Escolas atende 63 escolas municipais e seis centros de atendimentos especiais. Ao todo cerca de 20 mil alunos do pré-escolar até nono estão inseridos no projeto.

As aulas são realizadas nas próprias instituições de ensino em que a criança está matriculada e é atendido pelos próprios ex-alunos do projeto que hoje compõe a Orquestra Sinfônica de Barra Mansa – OSBM.

A coordenadora do departamento pedagógico do projeto, Renata de Almeida Machado, acredita que a música é algo que deveria ser obrigatória em toda rede de ensino.

“É através dela que uma pessoa pode se transcender atingir o intelecto, principalmente do jovem em formação, isso ajuda em diversas outras áreas. A criança aprende a música para se desenvolver por completo”, expressou a pedagoga.

O principal objetivo das atividades, segundo a coordenadora do projeto, é fazer com que os participantes se desenvolvam em diversos aspectos. “A criança que hoje estuda um instrumento tem aula duas vezes na semana, mais a aula de teoria e a participação em grupo. Desta maneira, ela tem uma semana inteira tomada de atividades e, às vezes, ela vem à sede para ficar estudando”, informou.

De acordo com a coordenadora, diversos pais já relataram uma melhora no comportamento de seus filhos após serem inseridos na música. “Tivemos vários relatos de pais que pediram para jamais deixarmos seus filhos saírem do projeto, porque hoje ele esta tendo outra visão e isso está ajudando tirar ele das ruas e da possibilidade de entras no mundo das drogas”, finalizou a coordenadora.

Matheus e Felipe Pinto 

Violinistas de 11 anos

Os gêmeos Matheus e Felipe Pinto da Silva, 11 anos, são estudante da Escola Municipal Leonisio Sócrates Batista, no bairro Roberto Silveira, participam do projeto há três anos e garantem que desde cinco anos de idade dividem a mesma paixão pela música.

“Nós recebemos muito incentivo dos nossos pais. No projeto eu aprendo tocar violino, mas já tocamos violão e também conciliamos nosso tempo aprendendo tocar teclado”, afirmou Felipe. Os estudantes garantiram que tem o desejo de continuar com a música e cada vez mais se profissionalizarem. “Quanto mais você vai avançando mais você adquire conhecimento e gosto pela música”, acrescentou Matheus.

Os jovens ainda afirmaram que suas rotinas são cheias de atividades, e às vezes eles acabam sem tempo até mesmo para as brincadeiras de crianças.

“Eu gosto muito dessa rotina, são coisas que preenche nossos dias e temos prazer nisso, sei que nossos pais ficam tranquilos quando estamos estudando, a rua não tem nada a nos oferecer de construtivo”, garantiu Felipe. Para Matheus, a música é algo que o  completa, e ele acredita que seu dom tem que ser sempre aprimorado. “É muito bom ver as pessoas se emocionando através da arte, o melhor de está inserido nela é ver o orgulho que nossos pais sentem da gente”, frisou.

Ana Carolina Moreira

Violoncelista

“O mundo nos oferece vários tipos de coisas, muitas boas e outras nem tanto. Escolhi a música como saída para as coisas que não acredito que sejam certas”. A estudante de violoncelo de 13 anos, Ana Carolina Moreira, pode até ser jovem na idade, mas seu pensamento e postura já garante que suas escolhas serão sempre para o caminho artístico.

A adolescente que está participando do projeto há quase quatro anos, garante que a música é uma aliada em sua vida. “A música é algo que se renova a cada dia e a gente sempre aprende algo novo, além disso, hoje eu percebo o quanto ela me ajuda nas matérias escolares. A música e a arte dão um novo rumo a nossa vida”, afirmou.

Para a jovem a arte no geral é o melhor meio para tirar, principalmente, os jovens das ruas. Para ela, o que no início era apenas um hobby. Hoje se tornou umas das suas principais paixões: “No início fazia as aulas por curiosidade, hoje já penso mais como uma opção de profissão”, garantiu Carol, informando que seu maior incentivador é seu pai.

“Meu pai também é músico, então recebo um incentivo enorme da parte dele, acho que isso também me ajuda a desenvolver esse dom, sempre tocamos juntos e trocamos experiências”, relatou. Ana Carolina garantiu que um dos benefícios da música em sua vida foi de torna-la mais comunicativa. “Eu era totalmente tímida hoje eu consigo ser mais extrovertia, a música tem esse poder de transformar, fora os novos amigos que você conhece”, completou.

Orquestra Sinfônica Juvenil

Muitas possibilidades

A frente da Orquestra Juvenil de Barra Mansa, o maestro Werley Nicolau garante a música é uma de suas paixões e não consegue imaginar sua vida sem ela. Inserido também como músico na Orquestra Sinfônica de Barra Mansa (OSBM) há 15 anos, o jovem contou que a música ajuda as pessoas se tornarem melhores disciplinadas, organizadas, focadas e pacientes.

“A música é a arte que te prepara para a vida e te torna determinado”

(Werley Nicolau, maestro)

O maestro contou que hoje 70 alunos – na maioria com idade entre 15 e 18 anos – fazem parte da orquestra juvenil e quase todos vieram do Projeto Música nas Escolas.

“Os alunos do projeto participam de uma audição que acontece anualmente, eles são julgados por uma banca de jurados e os aprovados já são encaminhados para o grupo de acordo com sua faixa etária”, explicou.

Segundo ele, quando há a aprovação, esses novos integrantes são indicados a receberem um auxilio de ajuda de custo pelo projeto e hoje muitos já são beneficiados.

Werley explicou que após um período na juvenil, os músicos que se destacam passam a fazer parte da OSBM e acaba tendo uma notoriedade maior na música.

“Esse projeto é gigantesco, temos milhares de músicos inseridos nele, há diversas orquestras renomadas no Brasil e em todas as principais, há pelo menos um músico que começou conosco. Isso é motivo de muito orgulho para nós”, garantiu o jovem.

Para ele, a principal função do maestro é trabalhar a interação, e a pratica de conjunto e isso é o que ajuda no desenvolvimento pessoal de cada um. “A música por si só ajuda na comunicação, então a gente percebe que aquele aluno que entrou acanhado hoje consegue ter uma relação muito melhor com os colegas, o musico precisa trabalhar de um som com o do seu colega. O tímido passa a interagir mais e o agitado aprende a se conter melhor”, explicou.

Iago Soares

Violoncelista

Para o jovem Iago Soares, de 18 anos, a música é a arte que transforma vidas. E que mesmo tentando transmitir o que sente, ela desperta um sentimento diferente em cada pessoa. Iago faz parte da Orquestra Sinfônica Juvenil de Barra Mansa (OSJBM) há três anos e garante que enxerga na música uma maneira de expressar seus sentimentos, afirmando que essa é a principal função do músico. ”A música transforma tudo que a gente sente em notas, seja cantando, tocando ou ouvindo ela é importante na vida de todos nós. Eu costumo dizer que respiro música”, brincou.

Iago contou que iniciou seu aprendizado na música através do Projeto Música nas Escolas, em seu colégio. “Eu lembro de que os professores foram até a escola, apresentaram os instrumentos e eu que sempre fui muito ligado na arte fiquei fascinado”, explicou.

Segundo ele, a música tem uma grande influência na vida de todos e, concorda, que através dela vários jovens podem se descobrir e encontrar o que sente através dela se expressando.

“De fato a música tira os jovens das ruas, é como eu digo, a música é a melhor forma de colocar para fora tudo o que sente. Muitos vão para as ruas por não conseguirem se expressar”, pontuou.

Para ele, a melhor sensação é expor seus sentimentos nas notas musicais. “O maior prazer em tocar é descobrir as diversas sensações, mas o melhor de tudo é mostrar seu sentimento e personalidade”, completou. Seu sonho dentro da música não é muito diferente dos demais músicos. “Quero ser um solista! Meu objetivo é sempre aprender para poder transmitir um som que encante as pessoas e desperte o melhor nelas”, concluiu Iago.

Hadassa Rodrigues Izidio

Violinista, de 14 anos

Entrar na música nem sempre é tão fácil, despertar um conhecimento depende de muita dedicação e habilidade. Prova disso é Hadassa, um dos destaques na Orquestra Sinfônica Juvenil de Barra Mansa (OSJBM). A jovem de 14 faz parte do projeto desde 2015 e contou que o que despertou seu interesse em fazer parte do grupo foi uma apresentação da OSBM em sua igreja.

“Eu me encantei e quis fazer parte daquilo. Confesso que no inicio não foi fácil, apaixonei pelo violino, mas não sabia nem como segurá-lo, porém eu tive excelentes professores que com paciência e dedicação sempreme incentivaram”, contou.

Hadassa começou os estudos em sua escola através do projeto Música nas Escolas, em seguida ela foi aprovada durante a audição que acontece anualmente para fazer parte da OSJBM. Para ela a melhor forma de inserir os jovens na arte é mostrar para ele que ele é importante e que pode ser um destaque na sociedade.

“Eu acredito que quando um jovem se vê dentro de algo importante ele passa a se sentir especial, existem vários talentos que não são explorados, todos podem mostrar o que tem de melhor dentro da arte”, aconselhou.

Hadassa afirmou que a música é algo presente em sua vida desde quando era criança e, quando toca, sente que pode expor todos seus sentimentos. Ela também falou que a melhor sensação é ver as pessoas felizes durante as apresentações.

“É sempre muito bom quando conseguimos realizar um trabalho no qual nos dedicamos muito durante os ensaios, além de ser desafiador é grandioso, o reconhecimento só vêm quando há dedicação e amor em algo que fazemos”, frisou.

O grande sonho de Hadassa é se tornar uma grande solista e através da música despertar nas pessoas as melhores sensações. E alguém duvida que ela conseguirá?


Deixe seu comentário

error: Content is protected !!