Destaque 3 Política

Políticos da região recebem doações de grupos investigados pela PF


Dois deputados federais e um prefeito do Sul Fluminense receberam doações eleitorais de empresas que foram alvos de investigações da Polícia Federal. Esses repasses foram feitos nas eleições de 2014.

Os parlamentares são: Deley de Oliveira (PTB); Fernando Jordão (PMDB), que hoje é prefeito de Angra dos Reis; e Luiz Sérgio (PT). Somados os três, foram R$ 2 milhões de repasse das empresas. As informações são do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), divulgadas no site da instituição.

Deley, por exemplo, recebeu na última eleição R$ 400 mil da construtora Carioca e outros R$ 50 mil da Queiroz Galvão. As duas empresas são citadas nas investigações da PF como a Lava Jato e a Calicute, por pagarem propinas ao grupo político do ex-governador Sérgio Cabral. Deley fazia parte do grupo do PMDB, embora seja filiado ao PTB.

A empresa Carioca, que venceu diversas licitações do governo do estado como o Porto Maravilha, fez quatro doações ao parlamentar que é de Volta Redonda. Uma de R$ 150 mil, duas de R$ 100 mil e outra de R$ 50 mil. Já Queiroz Galvão foi uma parcela de R$ 50 mil.

Luiz Sérgio, de Angra dos Reis e já foi ministro de estado do governo da Dilma Rousseff, recebeu uma parcela de R$ 200 mil da UTC Engenheira. Uma auditoria interna na BR Distribuidora identificou irregularidades no processo de licitação de três obras da UTC Engenharia que somam aproximadamente R$ 650 milhões. O dono da empreiteira, Ricardo Pessoa, e a subsidiária da Petrobras, BR Distribuidora são investigadas na Operação Lava Jato.

O petista também recebeu das construtoras Queiroz Galvão (R$ 332 mil) e OAS (R$ 380 mil), além da JBS no valor de R$ 95 mil, totalizando mais de R$ 1 milhão.

Fernando Jordão recebeu nada menos do R$ 500 mil da empresa JBS, dos irmãos Joesley e Wesley Batista. Jordão foi eleito a deputado federal em 2014, mas deixou o cargo em janeiro de 2017 para assumir a prefeitura da cidade litorânea.

Procurados, os parlamentares ainda não se manifestaram sobre as doações. Assim que eles responderem, a reportagem será atualizada

1 Comentários

    • Dofileu 23:21

      Merecem ser presos imediatamente. Quem doa esse valor certamente espera receber o quíntuplo de volta, principalmente via contratos entre as empresas e prefeituras.

Deixe seu comentário